HAHA

"Imagino que sempre se possa ter esperança."

Stephen King

"Prenda-se ao seu foco. Essa é a diferença entre uma boa pintura e apenas mais uma imagem entulhando um mundo repleto delas."

Stephen King

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Observações Valiosas...

A maioria dos intelectuais depreza um autor que admiro muito. Stephen King é sempre visto como um mero autor de best sellers, cujo sucesso se deve unicamente a descoberta de uma "receita de entretenimento", o terror e suspense mexendo com emoções básicas do leitor.
Eu vejo sobre outro prisma: é raro encontrar um autor com capacidade criativa, imaginação praticamente sem limites, que é capaz de nos conduzir da alegria à tristeza, do susto ao prazer do reconhecimento. É sim o autor das coisas comuns, e porque não? Afinal, o que somos, além de pessoas comuns?
E cada livro de Stephen King sempre provoca em mim uma boa surpresa, uma revelação, uma emoção nova, uma lição...
Seguem alguns trechos do último livro traduzido no Brasil, DUMA KEY, importantes pra mim e que espero possam se tornar importantes também para amigos que trabalham com arte.

COMO FAZER UM DESENHO
STEPHEN KING, in DUMA KEY

I
Comece com uma superfície em branco. (…) Chamamos de branco porque precisamos de uma palavra, porém o verdadeiro nome é nada. O preto é a ausência de luz, já o branco é a ausência de memória, a cor da não lembrança.
Como nos lembramos de lembrar?

II
Lembre-se de que a verdade está nos detalhes. Não importa qual sua visão do mundo ou que estilo ela impõe ao seu trabalho como artista, a verdade está nos detalhes. É claro que o diabo também está nele – é o que todos dizem -, mas talvez a verdade e o diabo sejam sinônimos. Quem sabe?

III
Não mate a fome. (….) Se você quer traduzir o mundo, precisa usar seus apetites. Isso o surpreende? Pois não deveria. Não há nada mais humano que a fome. Não existe criação sem talento, concordo, mas talento é barato. Talento todo mundo tem A fome é o motor da arte.


IV
Comece com o que você conhece, então reinvente. A arte é mágica, isso é indiscutível, porém toda arte, por mais estranha que seja, começa na humildade do cotidiano.


V
Não tenha medo de experimentar; descubra a sua musa e deixe-a guiá-lo.

VI
Prenda-se ao seu foco. Essa é a diferença entre uma boa pintura e apenas mais uma imagem entulhando um mundo repleto delas.

VII
Lembre-se que “ver para crer" coloca o carro adiante dos bois. A arte é o produto concreto da fé e da esperança, a criação do mundo que, de outra forma, não passaria de um véu de consciência sem sentido sobre um golfo de mistério. E, além do mais, se você não acreditar no que vê, quem acreditará na sua arte?

VIII
Seja corajoso. Não tenha medo de desenhar as coisas secretas. Quem disse que a arte é sempre um vento suave? As vezes, ela é um furacão. Mesmo assim, você não deve hesitar ou mudar o sentido. Porque, se contar a si mesmo a grande mentira da má arte – que você está no comando – terá perdido a chance de capturar a verdade. A verdade nem sempre é bela.(...) No entanto, para o verdadeiro artista, a verdade insiste em falar(…) A coragem está em fazer, não em exibir.

IX
Procure pela imagem dentro da imagem. Nem sempre é fácil de encontrar, mas está sempre lá. E se você deixar de vê-la, pode deixar de ver o mundo.

X
Esteja preparado para ver tudo. Se você quiser criar – e Deus ajude se quiser, Deus o ajude se puder fazê-lo – não ouse cometer a imoralidade de parar na superfície. Mergulhe fundo e apanhe seu butim. Faça isso independente de quanto doa.

XI
Não desista até que o desenho esteja pronto. Não sei lhe dizer se essa é a regra fundamental da arte ou não – não sou professor – porém acredito que essas oito palavras resumem tudo o que venho tentando falar pra você. O talento é uma coisa maravilhosa, mas não adianta nada para quem desiste fácil.. E sempre chega um momento – se o trabalho é sincero, se ele vem daquele lugar mágico em que o pensamento, memória e emoção se mesclam – em que você quer desistir, em que você pensa que, se largar o lápis, sua vista ficará embotada, sua memória falhará e a dor irá embora..

XII
Saiba quando você acabou e, uma vez terminado, largue seu lápis ou pincel. Todo o resto é apenas vida.


Aproveitem...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Viagem, 2º capítulo - Exposição em Amsterdam

Mas a viagem não foi somente um passeio, fui também abrir uma exposição em Amsterdam, no CEDLA - Centro de Estudos Latino-Americanos, da Universidade de Amsterdam.
Muita coisa foi resolvida antes da partida, mas só agora tenho material e tempo internáutico pra dar uma atualizada nesse Blog (argh, não me acostumo com esse nome horrível).
Pra começar, o convite para a exposição (que ainda está rolando em Amsterdam, Ams para os íntimos):



Lindo convite, pois. Criação de Adrianne Schneider, grande amiga, moça maravilha.

Bem,só pude mesmo participar da vernissage, recebendo pessoas maravilhosas, amigos do Marcos Sousa, amigão que mora lá e me protege em terras holandesas...
Uma das boas memórias da exposição foi a entrevista feita pela Mariangela Guimarães, brasileira residente na Holanda há muitos anos, para o jornal da Radio RNW - Radio Nederland Wereldomroep, emissora que atua na televisão e na internet, em dez idiomas. Juntamente com a BBC, a Voice of America, a Radio France Internationale e a Deutsche Welle, a Radio Nederland Wereldomroep pertence às cinco maiores emissoras internacionais.
Segue abaixo o link da entrevista, pra quem quiser ouvir:
http://www.rnw.nl/portugues/article/nilza-silva-exp%C3%B5e-seus-quadros-na-holanda

Agora é esperar o resultado da aventura...

sábado, 8 de maio de 2010

A Viagem - andando pelo mundo e pensando...

Esta realmente foi uma viagem em todos os sentidos: além de percorrer vários países (e diferentes cidades em cada um), aproveitei o tempo para fazer também uma "viagem interior", profunda, com direito a retornos ao passado e muitos pensamentos em relação ao futuro.
Pois é, foi mesmo uma longa viagem, cheia de coisas lindas, flores (ah!primavera!) e curiosidades.
Desta vez, fiz um tour por vários países. Imaginem a babel em minha cabeça na quarta mudança de língua! Eu já estava rezando pra implantarem, junto com o euro, o esperanto...
O grande e único problema da viagem eu reconheço ter sido causado por meus pobres costumes: eu sou "tralheira"... Não resisto a un gadget, eles me atraem e sinto que não poderia viver mais um minuto sem aquilo! E tudo que se refere a artigos de papelaria, esses me fazem ter uma crise se os deixo passar. Infelizmente isto traz uma desastrosa consequência óbvia: as malas e o seu peso.
Mas convenhamos: porque os países europeus, que tem o turismo como importante fonte de renda, ainda não entenderam que "escada" é a maior praga para quem viaja! Tem escada no trem, no tram, no onibus, nos aeroportos, nas estações ferroviárias, nas praças, jardins, hotéis, até nos banheiros públicos!
Vou propor a União Européia o lançamento da campanha Pró Rampa.
Espero adesões...